O CURSO

A proposta é incentivar o acesso e a produção de pessoas negras no audiovisual gaúcho. Durante as aulas serão abordados temas como História Afrocentrada do Cinema, roteiro, produção, direção, edição de documentário e, ao final, os participantes realizarão um minidocumentário autoral. Também vamos disponibilizar 20 bolsas de estudos com auxílio de R$600 e de acesso à internet. As aulas serão realizadas de 01 de fevereiro até 06 de abril de 2021, no turno da noite, no formato online e de forma gratuita.

CRONOGRAMA

Abertura das inscrições

20 de janeiro

Período de Inscrição 

De 20 de janeiro até o dia 26 de janeiro ou até atingir o número de 70 inscritos. 

Período do Curso

As aulas serão realizadas de 01 de fevereiro até 06 de abril de 2021, no turno da noite.

Carga horária

201h

Disciplinas

  • História Afro Centrada do Cinema

  • Roteiro para Documentário

  • Produção de Documentário

  • Direção de Documentário

  • Edição de Documentário

 

Ao final do curso os alunos terão consultorias para produzir um curta-metragem de até 5min. 

aulas

aula aberta com rosane borges

01/02/2021

19h  às 22h

A aula integra a disciplina História Afrocentrada do cinema

Jornalista, pós-doutorada em ciências da comunicação, professora e autora de diversos livros, entre eles: Espelho infiel: o negro no jornalismo brasileiro (2004), Mídia e racismo (2012) e Esboços de um tempo presente (2016).

disciplinas

HISTÓRIA AFRO CENTRADA DO CINEMA

01  a 05/02

As aulas abordam a história do cinema a partir de uma perspectiva afrocentrada. Serão estudadas realizadores pretos e obras que marcaram o audiovisual no Rio Grande do Sul, no Brasil e no Mundo.  

 

Ministrantes: 

Mariani Ferreira 

Roteirista, diretora e produtora.  Estudou jornalismo, foi crítica de cinema e redatora e diretora de publicidade. Seu filme de estreia,  o curta-metragem de ficção “Léo", foi exibido em diversos festivais, como  os prestigiados Festival Del Nuevo Cine Latino Americano de La Havana e o Festival Internacional de Cinema de Guadalajara. Mariani também é produtora executiva e roteirista do documentário “O Caso do Homem Errado”. Também é roteirista  da série “Necrópolis”. Hoje trabalha como roteirista na TV Globo. É membro fundadora do Coletivo Macumba Lab.

 

Kaya Rodrigues

Multiartista, atriz, produtora e arte-educadora formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e pós-graduada em Pedagogia da Arte pela mesma Universidade. Tem sua atuação no campo do cinema, da performance, da música, do teatro e do carnaval. Desenvolve há 9 anos uma pesquisa voltada à  cultura popular sendo uma das integrantes originais do "Bloco da Laje" e uma das fundadoras do Bloco de Carnaval "Não Mexe Comigo que Eu Não Ando Só", o segundo composto somente por mulheres. Protagoniza as séries "Necrópolis" e "Alce & Alice", que podem ser encontradas no catálogo da Netflix. No audiovisual trabalha também com roteiro e produção de elenco, realizando sua última produção na série "O Complexo" em 2019 , a estrear no canal Cinebrasil TV. Ainda em 2019, foi selecionada pra residência de mulheres compositoras do Projeto Concha, apoiado pelo Natural Musical, podendo aprofundar sua pesquisa nessa área. Em seu trabalho como musicista, revisita sua ancestralidade africana diaspórica em ritmos de Ijexá e Samba. Atualmente desenvolve, como roteirista, a Série "A lenda de Oriki", projeto de ficção de criação sua, contemplado pelo edital do MinC Audiovisual gera futuro.

ROTEIRO PARA DOCUMENTÁRIO

08 a 11/02 

17 a 20/02

Aulas teóricas e práticas que abordaram regras e estratégias para a criação de roteiro no cinema documental, além de técnicas de pesquisa e entrevista. 

 

Ministrantes:  

Luiz Santana

Roteirista e consultor de roteiro. Co-fundador do coletivo de cinema independente Incurto Filmes e do coletivo Macumba Lab. Roteirista e produtor executivo do curta-metragem "A Terra que Nos Habita" (Incurto Filmes, 2019), selecionado no Festival Recanto do Cinema (Brasília-DF, 2019). Colaborador de roteiro da série "O Complexo" (Cine Brasil TV). Finalista do FRAPA na categoria Longa-metragem na edição de 2017. Semifinalista do Cabíria Festival (2020), selecionado para o Diáspora Lab (2020) e o festival Miradas Doc (2021) com o projeto de documentário "A Cor da Margem".

 

Tais Amordivino

Diretora, Roteirista, Bacharel em Comunicação Social e Cinema e Vídeo. Estudou direção de Cinema e Televisão na Escola Baiana de Cinema.  É uma das realizadoras do festival Itinerante de Cinemas Negros - Mahomed Bamba (MIMB). Diretora de cinema desde 2016. Em 2018, dirigiu e roteirizou o documentário “A Invisibilidade da Identidade Negra na educação” selecionado em festivais nacionais. Diretora e Roteirista com destaque em trabalhos autorais premiados, a exemplo do filme “Motriz”, obra com trajetória em mais de trinta festivais, nacionais e internacionais, incluindo oito premiações, além de licenciado pelo Canal Brasil. Em 2020, dirigiu e roteirizou a ficção
“A Menina Que Queria Voar" contemplado no Edital Setorial de Audiovisual – FCBA com lançamento para 2021. Desenvolve dois projetos de longas-metragens em paralelo: A ficção “Registros da Ausência ``, selecionado na edição de 2020 do Laboratório de Narrativas Negras para o Audiovisual (FLUP/Rede Globo). E o documentário biográfico “Miraildes Mota - A Lendária Formiga” selecionado em 2020 no laboratório DiásporaLab Roteiro e premiado, no mesmo laboratório, com o prêmio Incubadora Diáspora, o longa-metragem documental também foi contemplado no Edital Prêmio das Artes Jorge Portugal 2020 - Premiação Aldir Blanc Bahia, na categoria desenvolvimento de longa-metragem.

PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIO

22 a 27/02

Aulas teóricas e práticas abordando as funções de produção, principais documentos, com foco em produção documental.

 

Ministrante: 

Priscila Severo

Especialista em Gestão Cultural pela Faculdade Senac (2011) e Relações Públicas pela Unisinos (2008). É uma das Produtoras Nacionais do Dia Internacional da Animação (Mostra de Curtas Metragens de Animação que acontece em centenas de cidades de todo o Brasil no dia  28 de outubro).  

Compõe a Diretoria da ABCA (Associação Brasileira de Cinema de Animação) - gestão 2019-2021, exercendo a função de Tesoureira. Atualmente, trabalha como Controller Audiovisual em diversos projetos incluindo as produções documentais: Portuñol, Longa Metragem, 2020; Pasajeras – Longa-metragem em pós produção, 2020; 5 Casas - Longa-metragem, 2020. Afinal, quem é Deus? Série, 2019.

 

Participante bate-papo:

Vandré Ventura

Sediado na cidade de Porto Alegre, Vandré Ventura oficializa seu ingresso no audiovisual através de sua breve participação no curta-metragem Os Amigos Bizarros de Ricardinho em 2009 de Augusto Canani.  Após isso teve mais dois breves momentos em O Rosto que Sorri de João Kowacs também em 2009 e Até que a Sbórnia nos Separe em 2013 de Otto Guerra e Ennio Torresan. Pouco antes disso no final de 2011 entra na TGD Filmes como atendimento e sai e 2013.  A partir daí foram aproximadamente 30 produtoras por onde passou até os dias de hoje.Na publicidade, seu portfólio traz mais de cem filmes publicitários produzidos como diretor de produção dentro e fora da capital gaúcha, com também produções internacionais.

No cinema dirigiu a produção dos documentários:

Banquete / Experiencias Gastronômicas 2015 de Leonardo Scherer

Malko  2018 de Guilherme Bohm

Series:

Ilex - A Busca Pelo Sabor de Gabriel Horn em 2015.

Favela Gay 2018 de Rodrigo Felha para o Canal Brasil , na linha de produção RS onde também assinou o Still do projeto.

O Complexo 2019 por Gabriel Faccini // Tomas Fleck // Tiago Rezend

Longa-metragem:

Madalena de Madiano Marcheti rodado no MS 2018

DIREÇÃO DE DOCUMENTÁRIO

01 a 07/03

Aulas teóricas e práticas focadas em regras e estratégias de direção de documentário.

 

Ministrantes:

 

Day Rodrigues

Cineasta, diretora criativa e escritora. Escreve por determinação e imagina enquanto sonha e vice-versa.

Fez parte da equipe de diretores na série Quebrando o Tabu (2017/ 2019), para o canal GNT, premiada no New York Festivals TV e Films (USA), em abril de 2019; e o episódio de sua direção “Racismo e resistência” foi premiado na MIPCOM Diversify TV Excellence Awards 2019 (Cannes/ França). Em 2020, a segunda temporada foi premiada como melhor série documentário TV paga no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. 

 

Entre 2018/ 2019, coordenou a “Residência Artística em Audiovisual Mulheres Negras - Projetos de Mundo”, projeto selecionado pelo edital Rumos/ Itaú Cultural. As suas principais produções independentes são: "Ouro Verde - a roda de samba do Marapé" (2012), "Mulheres Negras: Projetos de Mundo" (2016), premiado no XXI Cine PE - Festival Audiovisual (Recife/ PE), nas categorias júri popular e direção; e o mais recente: "Geni Guimarães" (2020). 

 

E com estreia em 2020, fez parte da equipe para os documentários: “Viva nossa Voz” (Preta Portê Filmes), direção e roteiro, "Como ela faz? - a equidade de gênero no mercado de  trabalho" (Tocha Filmes), co-direção e direção de conteúdo, e "Dentro da minha pele" (Olhar Imaginário), neste último, apoiou a pesquisa de personagens.

 

Estuda formação em direção cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro (RJ) e estudou roteiro na AIC (SP). Tem licenciatura em Filosofia pela Universidade Católica de Santos (SP) e especialização em Gestão Cultural, no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Natural de Santos (SP), reside na cidade de São Paulo.

 

Gabriel Muniz

Natural do Recife-PE, reside atualmente em Porto Alegre-RS. Possui graduação em Design Gráfico pelo Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) e graduação em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Atualmente desenvolve estudo no Mestrado em Geografia (UFRGS), com a temática de paisagens sonoras em territórios negros no RS.

Desde 2003 desenvolve trabalhos relacionados a audiovisual, ilustração e design gráfico; É designer, técnico de som direto, realizador, artista transmídia e pesquisador autônomo do campo de sonoridades em suas relações com artes, tecnologia, design, geografia e espiritualidade – buscando aprofundar estes campos numa perspectiva afrocêntrica.

Atua enquanto cineclubista em comunidades negras de Recife/Olinda-PE e Porto Alegre-RS junto ao Cineclube Bamako, pelo qual também realiza produções audiovisuais. Também é educador popular com experiências em design, som, audiovisual e arte tecnológica.

 

Participante bate-papo:

Wagner Abreu

Documentarista e produtor nascido em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Graduando em comunicação social (Jornalismo) com especialidade em documentários investigativos e sociais.Como diretor Wagner recebeu principais prêmios estaduais e nacionais de Jornalismo, entre os quais 61º Prêmio ARI, 21º Prêmio Ministério Público de Jornalismo e 35º Prêmio Nacional de Justiça e Direitos Humanos de Jornalismo

EDIÇÃO DE DOCUMENTÁRIO/PÓS PRODUÇÃO

08 a 12/03

Aulas teóricas e práticas sobre edição com desdobramentos sobre a edição documental. Serão apresentadas alternativas de software para edição e formatos mais acessíveis de realização audiovisual. 

 

Ministrantes:

 

Giuliano Ventana

Fotógrafo, artista visual, documentarista, diretor de fotografia, operador de câmeras e drones, técnico de som e editor de vídeo. Bacharelando do curso de Políticas Públicas, na UFRGS, atua como pesquisador nas interseções entre Políticas Institucionais, Práticas Políticas e Poéticas identitárias. Além de artista e pesquisador é educador e faz parte do conselho diretivo do Coletivo Macumba_Lab, que reúne profissionais negrxs do audiovisual no RS e RJ. Participou e produziu inúmeras exposições fotográficas, intervenções urbanas e diversas manifestações artísticas no Brasil e no exterior. Foi indicado e recebeu diversos prêmios como por exemplo, agraciado pelo Prêmio Funarte de Arte Negra 2012, como integrante do projeto Casa Grande. Premiado também com o projeto Matéria Sonora pelo Edital FUNARTE de Ocupação dos CEUs das Artes. Premiado para residência artística através do edital da Associação de Prostitutas de Minas Gerais pelo Programa Rede Nacional FUNARTE Artes Visuais 12ª Edição. Atualmente é realizador do #FRENTE: Festival Carioca de Fotografia Popular Emergente que reúne fotógrafos e fotógrafas moradores de localidades periféricas no estado do Rio de Janeiro.

Participante bate-papo:

Ana Moura

Graduada em Publicidade e Propaganda pela UFRGS. Sua trajetória no cinema começa em 2015. Em 2018 fez a 2° Assistência de Direção e Continuidade no curta premiado "Quero ir para Los Angeles", de Juliana Balhego. No mesmo ano, entrou para o coletivo Macumba Lab. Integrou a equipe de produção da UFRGS TV trabalhando com produção, captação e edição de materiais audiovisuais. Atualmente é a primeira mulher negra operadora de câmera na RBS TV. Também trabalha como editora de vídeos freelance para Yuri Marçal e é co-fundadora do podcast Conversa Solta. Em 2021, atua como pesquisadora no documentário Odilon: Essência, Semente e Luz e como montadora na minissérie Nação Preta do Sul.

PRODUÇÃO E FINALIZAÇÃO DE MINI-DOC

15/03 a 06/04

Período em que os participantes utilizarão os ensinamentos das disciplinas anteriores, para fazer um curta-metragem de até 5 min. Haverá consultorias de Roteiro, Produção, Direção e Edição.

 

Consultores:

Consultoria de Roteiro

Juliana Balhego 

Realizadora audiovisual, formada em Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mas desde o início de sua carreira profissional trabalhou com audiovisual.  Em 2018 foi roteirista, diretora e produtora do curta “Quero Ir para Los Angeles”. O filme passou por diversos festivais, ganhando os prêmios de Melhor Roteiro e Melhor Produção Executiva no 47° Festival de Gramado - Mostra Competitiva de Curtas-Metragens Gaúchos e melhor Direção e Melhor Curta Júri Popular no 5º Festival de Cinema de Três Passos.

 

Juliana trabalhou como produtora e assistente de direção para projetos exibidos no SESCTV, Canal GNT e Canal E!. Juliana foi integrante do Júri de Curtas Brasileiro do 48° Festival de Gramado, realizado em setembro de 2020. 

 

Consultoria Produção

Priscila Severo

Consultoria Direção

Gabriel Muniz

Consultoria Edição

Giuliano Ventana

selecionados

No Curso de Cinema Documental Odilon Lopez, você aprenderá os principais processos que envolvem a realização de um minidocumentário. O curso é oferecido pelo coletivo Macumba Lab e incentiva o acesso e mais oportunidades para pessoas negras no mercado audiovisual do Rio Grande do Sul. As vagas são limitadas e haverá 20 bolsas de estudo. As aulas serão no turno da noite, de forma gratuita e online.